Papa Francisco aceitou a renúncia do Cardeal Dom Raymundo Damasceno Assis

Papa Francisco aceitou a renúncia do Cardeal Dom Raymundo Damasceno Assis

Papa Francisco aceitou nesta quarta-feira, dia 16 de novembro, a renúncia do Cardeal Arcebispo de Aparecida, Dom Raymundo Damasceno Assis. Dom Damasceno havia apresentado renúncia em fevereiro de 2012, quando completou 75 anos, conforme prevê o direito canônico. E, até a posse do novo arcebispo, marcada para o dia 21 de janeiro de 2017, ficará na Arquidiocese de Aparecida como Administrador Apostólico.

Gratidão, alegria e o sentimento de dever cumprido deram tom à entrevista coletiva que Dom Raymundo Damasceno Assis concedeu na manhã desta quarta-feira (16), para anunciar a sua renúncia. Além de Dom Damasceno esteve presente na entrevista, o reitor do Santuário Nacional de Aparecida, padre João Batista de Almeida.

Após 13 anos à frente da Arquidiocese de Aparecida e a três meses de completar 80 anos, idade limite para ocupar um cargo ou responsabilidade como dispõe a Igreja Católica, o cardeal recebeu a aprovação do Papa Francisco ao seu pedido de renúncia feito ainda no pontificado de Bento XVI, em 2012.

A partir de um texto intitulado ‘Mensagem’ com quatro páginas, o cardeal discorreu brevemente alguns dos momentos mais importantes de seu ministério junto à Igreja Particular de Aparecida, dando destaque para o raro privilégio de ter sido anfitrião de dois Papas (Bento XVI e Francisco); a realização da 5ª Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe; a restauração do edifício do Seminário Bom Jesus; a nomeação de um bispo auxiliar para a arquidiocese; as diversas obras realizadas no Santuário Nacional de Aparecida; o acolhimento da Assembleia Geral da CNBB; a concretização dos primeiros passos para o novo Santuário dedicado à Frei Galvão e o fortalecimento da Rede Aparecida de Comunicação.

“Por tudo isso, posso afirmar, sem nenhuma hesitação, que encerro meu ministério episcopal na Arquidiocese de Aparecida como pastor plenamente realizado. Muito feliz, recorro a confidência feita pelo Apóstolo Paulo aos Filipenses para dizer, que, ‘aqui, não corri nem me esforcei em vão’. Tenho a esperança de ter feito, nesta Arquidiocese, na medida de minhas forças, o melhor pelo Reino de Deus”, assinalou.

Dom Raymundo também pediu perdão pelos possíveis erros cometidos ao longo de seu ministério. “Peço perdão e agradeço a Deus por tudo o que pude realizar nesse período e desejo que rezem também por mim para que Deus me dê a graça de me manter fiel ao ministério que recebi dele, no lugar e no tempo que Deus me conceder nesta vida”.

Um fato marcante que o Cardeal recordou da época de sua nomeação foi a intercessão de sua mãe à Virgem Aparecida. “Confortavam-me e encorajavam-me também as palavras ditas por minha piedosa e devota mãe logo ao saber de minha designação [para Aparecida]: ‘Rezei a ela pedindo que você fosse para Aparecida’”, recordou. “Eu tinha que acreditar nela, porque mãe é sempre mãe e quer o bem para os seus filhos, e ela achava que o melhor lugar era esse”, confidenciou.

Sobre o futuro, Dom Raymundo falou que retornará para a Arquidiocese onde foi incardinado, que é Brasília. Ali ficará a disposição do Arcebispo, Dom Sérgio da Rocha e da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, onde poderá exercer alguma função. Também falou sobre o desejo de partilhar sua história em uma publicação. “Tenho muitas memórias”, frisou.

Ao final, Dom Raymundo agradeceu a presença dos jornalistas que o acompanharam ao longo de seu ministério e manifestou a sua alegria pela nomeação de Dom Orlando Brandes como sucessor.

“A ele os meus melhores votos para que seu ministério episcopal seja frutuoso não só para os fiéis, mas também para os romeiros que aqui vem. É um pastor muito dedicado, voltado para a pastoral e meios de comunicação”.

Fonte: Arquidiocese de Aparecida – A12

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *